MyLife#32 – Os números de 2010!

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Continuar lendo

Anúncios

MyLife#31 – O que não fazemos por amor?

Um guia passo a passo de como dançar "The Time Warp"!

 

As vezes me pergunto o que fato somos capazes de fazer por amor… Se é que isso existe… Isso me lembra o que Foulcaut em História da Sexualidade fala sobre a inversão dos valores do matrimonio… Antes a mulher tinha um papel de liderança, pois gerava novos seres, por isso era considerado o sexo forte. Não sei ao certo quando isso aconteceu (imagino que foi no fim da Idade Bronze, com o advento das classes aristocráticas da o homem notou q na verdade sem ela de certa forma não haveria descendência (o que é biologicamente correto), o poder da mulher caiu e existe hoje um principio de castração que tenha mostrar a mulher como sexo frágil e…

 

Como eu cheguei nesse assunto mesmo?

 

Bom em todo caso estou meio perdido nesses dias estou pensando em algumas histórias até certo ponto bizarras, mas são uma boa. A história se chamara Stay On These Roads (sim! isso mesmo a música do A-ha), com dois personagens:  Noiva (uma garota com um vestido de noiva) e Bob (um cara bon vivan que tem apenas 3 meses de vida). Um dia, eles irão se encontrar devido a força do desejo (ou melhor da vontade). O fundamento dessa loucura toda nada mais é do que o filho deles q ainda nem nasceu, mas deseja existir e foi esse desejo se fazer real que possibilitou a união inusitada deles… O fundamento disso? A filosofia de Shoppenhauer.

A história é louca, mas vocês irão gostar…

MyLife#23 – Afinal de contas… O que você esta fazendo da vida Cilio?

Essa é realmente uma ótima pergunta. Algo que ocupa a minha cabeça até com uma certa frequência. A grande questão é “O que raios eu estou fazendo que não posto nada aqui a séculos?”.

A resposta é: Por incrível que pareça eu estava trabalhando..

Atualmente participo de diversos projetos relacionados a quadrinhos e para piorar a situação os rumos do meu mestrado simplesmente mudaram vertiginosamente. Mudei de autor, antes estudava Rousseau e agora é Marx. Pelo menos a idéia se mantêm que é a critica ao conceito de (pausa para lembrar do que era… XD… 10 minutos e muitas risadas no Ñ.intendo depois…) Cidadania na Educação.

Continuar lendo

MyLife#5.5 – Apenas respondendo algumas duvidas…

Pensei em milhares de coisa que poderia falar durante essas duas (nossa já foram duas semanas?) sem postar nada em “My Life”… Hoje eu vou responder a algumas perguntas feitas a esse blogueiro que vos escreve sobre os últimos “My Life”.

– Porque você não pegou o ônibus? [vide My Life #1]

R: Bom, além de estar com muita raiva eu fui idiota o suficiente para não perguntar se o onibus era realmente gratuito, mesmo achando estranho de inicio.

2 – Após tantas entrevistas… Você passou em alguma pelo menos? [Vide My Life #2]

R: Sim, sim passei! Por sinal na melhor delas o PIBID, um projeto FEDERAL de incentivo a docência, relamente fiquei muito feliz pois adoro ensinar.

3 – Você relamente não gosta de Natal só por causa da história da guirlanda ou tem outros motivos? [vide My Life #3]

R: Sim! É por causa da guirlanda. Sem mais comentários!

4 – No título do post tem uma parte que fala de “Caligrafia” mas no post vc não disse nada! Que história é essa? [vide My Life #3]

R: Falha minha na real, era pra eu ter contato a “Lenda da Caligráfia Torta”, mas por questão de tempo eu não contei, mas resumindo ela é o seguinte.

Na minha 6ª Série, a professora Eurides, simplesmente odiava as minhas 7 letras [acreditem, eu escrevia de SETE maneiras diferentes] então num ato de pura bondade da parte dela ela me OBRIGOU a usar um caderno de caligráfia [mais conhecido com caderno de pauta] pelo resto do ano. Ou seja, fui o mico do ano, até o natal e a guirlanda, mas isso já é outra história. O mais engraçado é que quando me reencontrei com ela nesses dias, ela lembrou da história, riu muito… Mas, eu não 😦 . E pediu pra ver a minha letra hoje em dia… Miseros 15 anos depois e pasmem ela disse: “Ainda presisa usar caderno de caligrafia!”. Eu não aguentei e ri, ou melhor rimos juntos. Foi isso.

Bom amigos visitantes espero ter sanado algumas dúvidas e no próximo “My Life” contarei uma história de banco, não o da praça, o economico mesmo… 🙂 e se chamara : “Uma looonga fila de banco e muito senso comum”. Aguardem e até a próxima!